Horário Seg a Sex: 8:00 as 12:00 - 13:30 as 18:00

  • urologia@androclin.com.br
  • (41) 3014-6606 - 3223-7795
  • Whatsapp - (41) 99670-1188

Aumento da Próstata

AUMENTO DA PRÓSTATA

A glândula da próstata está localizada abaixo da bexiga, esta esvazia a urina para o exterior pela uretra que inicia na bexiga e termina na extremidade do pênis.

Passa através do centro da próstata, logo depois que inicia na bexiga. Por esta razão, os aumentos da próstata causam desconforto para urinar, porque aperta a uretra, levando à micções incompletas com aumento de urina para trás (na bexiga), frequentemente acompanhada de sintomas irritativos com grande frequência de dia e de noite, além da ardência.

A progressão desta situação leva a retenção total da urina.

A próstata cresce por 3 razões: câncer, aumento benigno e Prost atite. O câncer será discutido em outro capítulo.

O aumento benigno ou hiperplasia ocorre principalmente por desequilíbrio hormonal após 40 anos, progressivamente, até atingir 80% dos homens aos 80 anos.

A causa ainda não é conhecida. Provoca sintomas de obstrução e irritação, havendo desconforto progressivo. Existe tratamento com vários medicamentos possíveis para melhora dos sintomas. Os casos que não respondem, (em torno de 10%, irão em geral a cirurgia transuretral endoscópica.

A prostatite aguda faz aumento rápido e grande da próstata acompanhada de sintomas infecciosos, com grande dor no local e abdominal, com muita irritação para urinar e febre. A prostatite crônica não faz aumento, causa irritação fraca e por longo tempo, é tratado com antibiótico e antiinflamatórios.

Hiperplasia e prostatite são condições benignas que trazem desconforto e obstrução.

O câncer causa a morte. O diagnóstico precoce é a melhor situação, pois podemos atuar eliminando o câncer, para sempre. Para isto necessitamos realizar o preventivo de próstata, com exame de sangue (PSA) e toque retal pelo menos 1 vez ao ano. Se descoberto mais tarde, já haverá infiltração local e invasão à distância (metástases) fato que muda radicalmente a vida do paciente, pois a morte virá.

O homem que não procede deste modo está sendo negligente (descuidado) com sua própria saúde e, com consequência, corre o risco assumido de terminar seus últimos dias com câncer.